Pages

Blogroll

Total de visualizações de página

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

BANGU: Polícia do RJ procura fugitivos em casas de parentes.



Agentes da Divisão de Capturas e Polícia Interestadual (DC-Polinter), da Polícia Civil do Rio de Janeiro, estão realizando um levantamento nas fichas dos visitantes cadastrados no Instituto Penal Vicente Piragibe, no Complexo de Presídios de Gericinó, na zona oeste do Rio, para tentar recapturar 27 dos 31 presos que fugiram do local, no último domingo (3).

Entre os fugitivos, está Claudino dos Santos Coelho, conhecido como Xuxa ou Russão, condenado a 23 anos de prisão pelo assassinato do jornalista Tim Lopes, da TV Globo, em 2002.

"Estamos fazendo investigações de inteligência e, ao mesmo tempo temos equipes nas ruas realizando buscas em diversos locais. Esses fugitivos precisam se esconder na casa de alguém. E tem que ser alguém conhecido. Por isso estamos fazendo um levantamento dos endereços das pessoas cadastradas para visitas no presídio", explicou o delegado Rafael Willis, da DC-Polinter.

Em entrevista coletiva na segunda-feira (4), o secretário de Administração Penitenciária do Estado do Rio, coronel PM Cesar Rubens Monteiro de Carvalho, admitiu que houve falhas no sistema de segurança do presídio. Uma sindicância interna foi aberta para apurar se houve facilitação da fuga por parte de agentes penitenciários.

Os bandidos escaparam através de um túnel, cavado a partir de um bueiro localizado no meio do pátio onde eles recebem visitas de parentes. O túnel, que tem cerca de 5 metros de comprimento, desemboca na rede de esgoto da penitenciária, de 450 metros. Ao atravessarem a galeria, os criminosos conseguiram sair de dentro do complexo prisional. Os processo de fuga teria durado sete horas. Quatro detentos foram recapturados ainda dentro da rede de esgoto.

O Instituto Penal Vicente Piragibe abriga cerca de 2.600 presos, todos em regime semi-aberto. Para que o detento saia da cadeia durante o dia, ele precisa obter o benefício da Visita Periódica ao Lar (VPL) ou do Trabalho Extra-Muros. Não era o caso de nenhum dos fugitivos, que não tinham a autorização para deixar a penitenciária.

O TEMPO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário